sexta-feira, 29 de abril de 2011

Mais feliz


O que faria você mais feliz?
Dormir aqueles 10 minutinhos a mais?
Tirar o dia de folga pra fazer nada?
Tomar café da manhã com a pessoa amada?
Assistir filme antigo na TV?
Um dia todo de sol? Ou de chuva?
Comer chocolate?
Andar de bicicleta, correr, sentir o vento do rosto?
Andar distraído?
Encontrar um amor por ai?
Ver o mar?
Ver pessoas andando pelas ruas?
Não ter hora pra chegar?
Receber um telefonema, mensagem SMS ou e-mail de uma pessoa querida, mais distante?
Presentear-se?
Fazer uma visitinha a um amigo?
Ler o que se gosta?
Sentar frente à janela?
Ir a uma festa?
Ficar em casa em companhia daquele livro instigante?
Arrumar as gavetas, o armário, a casa?
Aaah quantas coisas podem melhorar nosso dia! Quanta pequenez capaz de transformar-nos a vida.
Viver feliz
Viver com felicidade
É até fácil -, às vezes!

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Vento

Na jornada terrena
Em nosso caminhar
No nosso atrito com o outro somos apenas vento
Algumas vezes somos a própria calmaria
Outras, vendaval devastador
Em alguns encontros pairamos, quase sem movimento
Vamos deixando nossas marcas
Mas o certo é que todos passamos,
Em algumas almas os sinais são maiores em outras menores
Passamos
Seguimos nosso curso
Seremos respirados,
(Des)necessariamente aspirados em outros lugares

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Quaaase


Esse quadrinho me faz lembrar a piada do matuto que queria comprar uma Mercedes... rs

Talking To The Moon

Consumida

Ta decretado
Ta concluído
Definitivamente
Eu não sou daqui
Cabe exaurir reflexões
Como pode?
Ah! Eu não vou mesmo nada bem. Batendo cabeça aqui e ali, ontem, hoje e possivelmente amanhã.
Sinto-me escoar, desvencilhando insistentemente involuntariamente de mim mesma
Escapo por entre meus próprios dedos
Sou grão de areia nessa grande praia da vida
Sou vento que passa
Sou brisa rápida
Sinto-me fagulha
Estou a procura
De encontrar-me
Centralizada
Energizada
Abastecida
Saudade do sorriso largo
Que a muito não vejo
Transbordando alegria
Feliz pelo simples fato de existir
Tantos compromissos me transpõem para além da minha essência
E o tempo de modo misterioso me envolve, me consome.
Quero tirar daqui
Esse grito reprimido
Que complicado esse exaustivo vendaval que se instalou em mim
Confuso por não poder abrir mão da minha própria vida trovoada
Sou mundo, sou oceano, sou alga, sou nada
Vontade de reencontrar-me
Simplesmente encontrar-me
Em qualquer lugar no universo
Ah! Me encontrarei ou me perderei de vez
Estou entrelaçada, envolvida, absorvida, imbuída por esse grande planeta mundo que teima em consumir-me o tempo, a vida efêmera.
Sinto falta do olhar idiossincrático, voltado para os desejos do meu self.
La, absorta em mim mesma sentia meu pulsar. Sou ar! Sou passageira. Sou chuva fina, sou tempestade.
Comporto em mim a ambivalência de todos os sentimentos universais. Tudo visceralmente amalgamado aqui dentro. Absorvo a dor, a cor, o amor.
Eu sou o próprio amor...
Sou o próprio desede de ser uma pessoa melhor pra mim e pra você.

terça-feira, 26 de abril de 2011

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Miscelâneas


É drama
Já vou dizendo de antemão
É dor no peito e nó na garganta
É caminho percorrido e estrada sem fim
É medo, sobretudo de recomeçar
É despedida
São possibilidades impossibilitadas
São escolhas
Todos temos
É confusão de sentimentos
Sou o amor em sua plenitude e calmaria
Sou vento forte, sou furacão devastador
Sou querer
Sou decepção
Sou pergunta sem resposta
Sou projetiva
Sou futuro
Sou desejo, de reconstituir-me, reconstruir-me
Sou vaso quebrado
Sou reciclagem
Sou sonho
Sou prece
Sou tempo
Sou o próprio tique-taque dos relógios

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Alçar vôo


Sondo-me
Surpreendo eventos passados... estagnados
Mexo
Levanto a poeira, arrasto móveis... É hora de faxina
É momento de limpeza interna
Ouço uma voz firme
É de encorajamento, reconheço, sou eu... escuto-me. Decifro-me
Problemas e sobretudo passado, todos temos...
Sinto-me forte agora
Janelas abertas
Vejo o sol entrar
A casa está pronta
Quero alçar vôo
Tenho outras vontades agora
Aqui tem sombra, tem calmaria
Despojo-me do passado recente
Responsabilizo-me e sigo meu caminho
Olhar firme no por vir
Quero ir por ai
Vivendo com intensidade o que está guardado pra mim
Eu quero
Eu posso!